REDES SOCIAIS

Blog

17.11 0
COMENTÁRIO(S)

Lenine e Martin Fondse Orchestra apresentam “The Bridge” em São Paulo

IMG_4927

O Theatro Net São Paulo recebe Lenine e Martin Fondse Orchestra nos dias 17 e 18 de novembro, terça e quarta-feira, às 21h, para apresentações do show The Bridge.

O show The Bridge volta ao País depois de apresentações na Alemanha, Áustria, Holanda, Portugal, Estados Unidos e Brasil, entre 2013 e 2014. O espetáculo reúne canções de Lenine com novos arranjos criados por Martin Fondse, além de inéditas instrumentais compostas especialmente para o encontro.

O repertório é executado pelos músicos europeus Dirk-Peter Kölsch (Alemanha) na bateria, Eric van der Westen (Holanda) no baixo, Mete Erker (Holanda) no saxofone e clarone, Irma Kort (Holanda) no oboé, Søren Siegumfeldt (Dinamarca) como tenor saxofone, Annie Tangberg (Noruega) no violoncelo e Vera van der Bie e Herman van Haaren (Holanda) no violino. Todos sob o comando de Martin ao piano e vibrandoneon.

Um dos marcos da relação histórica entre Brasil e Holanda é a ponte Maurício de Nassau, em Recife, uma réplica perfeita de uma ponte sobre o Amstel, em Amsterdã. Esta foi a deixa para a criação do show The Bridge (A Ponte), que reúne o “cantautor” Lenine e a orquestra contemporânea do maestro holandês Martin Fondse – ambos nascidos em uma ilha.

O repertório da nova turnê inclui o mais recente trabalho do cantor e compositor, Carbono, com canções como “O Universo na cabeça do alfinete”, de Lenine e Lula Queiroga e arranjos de Martin, mostrada no Rock in Rio para mais de 80 mil pessoas com participação da orquestra completa. Sucessos como “Jack Soul Brasileiro” e “Do It” não vão faltar.

Martin Fondse – diretor artístico da Dutch National Youth Jazz Orchestra – é um dos compositores mais requisitados da cena europeia. A Martin Fondse Orchestra combina instrumentos de orquestra clássica – oboé e cordas – com os de banda pop – bateria, piano e saxofone. Seu som é baseado no jazz, mas transita pela música clássica e outros gêneros musicais, sendo a improvisação uma constante.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
Comentário

0 COMENTÁRIO(S)