abril . 2014

Encontros Socioambientais – Parintins (AM)

Parintins

Lá vai, lá vai a turma arretada que o adversário arreceia, eu quero saber porque ele me odeia. Eu sou coluna de aço, se tú quer passar arrodeia.

Corriam os últimos anos da década de 1990. A leitura diária do noticiário local de Manaus chocava e entristecia Rubens Gomes – manchetes com alto grau de violência e barbárie, sobre atos praticados por adolescentes e jovens do Zumbi dos Palmares, região da zona leste da cidade. Em vez de virar a página, como quase todos fazem, ele escolheu fazer algo para mudar aquilo.

– Diariamente, quando chegava à Universidade Federal do Amazonas (onde era professor de lutheria), ao ler os jornais, me deparava com crimes extremamente bárbaros, jovens mutilados por terçados (facões)… Era muito bruto – conta Rubens. – Um dia, resolvi conhecer a região. Fui por intermédio de um amigo que morava lá, porque era tão perigoso que alguém de bom senso não se arriscaria a entrar sozinho. Na época, diziam por lá que nem a policia entrava. O que vi foi uma região totalmente desprovida da presença do Estado, de equipamentos sociais, saneamento básico, etc.

Rubens passou a visitar a região nos fins de semana e a formar amizades, notando que havia ali um rico material humano e uma enorme carência de oportunidades. Juntou essa experiência à ideia que trazia de criar uma escola de lutheria que promovesse o uso racional de recursos florestais. Fundou assim a OELA (Oficina Escola de Lutheria da Amazônia), que reflete as preocupações e cuidados de quem nasceu e cresceu dentro da floresta, presenciando de perto diferentes lógicas de relação com ela.

–  Sou filho de um seringueiro/castanheiro que depois tornou-se operário de uma mineradora de extração de manganês que atuava em Serra do Navio, no Amapá. Nasci no canteiro de obra da estrada de ferro da ICOMI na Vila Platon, em Porto Grande – detalha.

Saiba mais sobre a OELA – Oficina Escola de Lutheria da Amazônia: uma associação que cresceu e agregou outras ações voltadas para a educação profissionalizante de adolescentes e jovens amazônidas, como o Centro de Referência Esportiva do Amazonas, esporte educacional, programa de geração de renda e, claro, conhecimentos de lutheria.

Projetos Anfitriões:

Pé de Pincha – www.pedepincha.com.br

Dedicado à preservação das tartarugas tracajás, o projeto desenvolve ações de treinamento junto às comunidades em Parintins visando o manejo racional e sustentável do quelônio, apelidado de pé-de-pincha pelas pegadas semelhantes a  pinchas (tampinhas de garrafa).

Boi-Bumbá Caprichoso – www.boicaprichoso.com

O projeto social da Fundação Boi-Bumbá Caprichoso, a Escola de Artes Irmão Miguel de Pascalle, realiza atividades lúdicas e esportivas em busca da cidadania e melhor qualidade de vida.

Boi-Bumbá Garantido – www.boigarantido.org

O projeto Aldeia da Arte é desenvolvido pela Associação Folclórica Boi Bumbá Garantido, e a música e a dança são usadas como forma de expressão, resgate e valorização da cultura local.

História anterior

Encontros Socioambientais – Santos (SP)

Mais em abril . 2014
Próxima história

I’m Alive – Rainforest Alliance Sessions

Mais em Parintins